Galeria dos Bispos
  • A+
  • a-

Dom Francisco Hélio Campos

2º Bispo da Diocese de Viana

Nasceu em Quixeramobim - CE, em 24 de julho de 1912. Seus pais foram: Francisco Cordeiro Campos e Belarmina Gomes Campos. Irmãos: Padre Gerardo José Campos, Irmã Hilza Campos e Irmã Zilma Campos (salesianas), Irmã Inês Campos (Filha da Caridade), José Nanges e Raimundo Felinto Campos. Foi batizado em Itatira, em 08 de setembro de 1912. Ordenação Sacerdotal, no Seminário da Prainha, em 05 de dezembro de 1937.

Funções exercidas:

  • Vigário de: Mucuripe, Senador Pompeu, Pedra Branca, Minerolândia, Navegantes, Pirambu (dez anos) e Mondubim.

  • Cooperador de: Redenção e Carmo.

  • Capelão de: Hospital Psiquiátrico Instituto Beneficente São José, Casa de Saúde São Gerardo e Patronato de Cascavel.

  • Diretor de: Ensino de Religião, Apostolado da Oração (Setor Diocesano) e cruzadas Eucarísticas.

  • Assistente Eclesiástico: Jornal “O Nordeste”, Juventude Masculina Católica e Federação dos Círculos Operários.

  • Professor: no Seminário.

  • Pastoral: Ministro Hierárquico da Arquidiocese de Fortaleza.

Padre Hélio Campos foi o vigário substituto durante a doença de Padre Lino Aderaldo, em Senador Pompeu-CE.

Nasceu precisamente em Serra do Machado (em Quixeramobim).  Era de família pobre. Seu pai era operário da estrada de ferro. Demorou pouco em Senador Pompeu: remodelou o altar construído. Era um padre muito de dinâmico e querido. Também criou uma Associação chamada SPA – "Sacrifício Por Amor", de crianças. Organizou retiro para homens, para moças.

De 1944 a 1947 foi o seu paroquiato em Pedra Branca, antes de ser chamado em Fortaleza, como Vigário de Pirambu. Aqui era muito dedicado aos pobres e à juventude. Tinha um dinamismo incrível na promoção social.

Sagração Episcopal, no Seminário da Prainha em 06 de julho de 1969.

Posse na Diocese de Viana, como segundo bispo da diocese, em 03 de agosto de 1969. Dom Francisco Hélio Campos faleceu dia 30 de janeiro de 1975, poucos dias após o falecimento de sua mãe. Foi vítima de câncer no estômago, mal que padecia há mais de 04 meses. Dom Hélio Campos foi quem libertou o Pirambu, um bairro proletário de 40.000 habitantes existente em Fortaleza, do analfabetismo, prostituição e de doenças. De 1959 a 1969 realizou um trabalho de ajuda aos habitantes do bairro praticamente sem ajuda oficial e somente com a do Vaticano, Arquidiocese de Fortaleza e particulares. Devido a este trabalho heróico, foi objeto de reportagem do “Time”, “Le Monde”, “Paris Match” e outros jornais europeus.

Antes de morrer, foi com um médico, uma enfermeira e pessoas de sua família rezar a última missa do galo na sua Diocese. Lá, fez um sermão, pedindo aos lavradores que se unissem pela sua própria libertação. Disse que aquele era seu último sermão e encontro com seu rebanho, pois sabia que ia morrer e disso estava avisado pelo médico. Queria apenas orações, pois ele estava preparado e aceitando os desígnios de Deus. Na manhã do dia 23 de janeiro, centenas de religiosos, padres, freiras e católicos de um modo geral, compareceram à casa da Rua Eduardo Bezerra, em Fortaleza, onde seu corpo estava sendo velado. De lá o ataúde foi para a Sé Catedral, donde seguiu em avião especial para Viana, onde foi sepultado na Catedral daquela cidade.

Fonte: Diocese de Viana
Postado por: Diácono Ferdnando Costa


Compartilhe